Whats App-Image-2019-04-16-at-14.13.18

A Comunicação dos nossos pequenos


O meu filho tem 2 anos e não fala! É normal?


Apesar de muitas vezes ouvirmos a velha máxima “cada criança tem o seu ritmo”, quando a criança completa os 2 anos de idade e não fala, para alguns pais, isso é motivo de preocupação. Será uma preocupação com fundamento? Sim!

É verdade que cada criança tem o seu ritmo, mas também é verdade que existem marcos de desenvolvimento, ou seja, linhas de orientação do “normal” em cada fase.

umaduziamaisdois blog maternidade


O “começar a falar” é um momento muito esperado pelos pais. A fala é um processo de construção único, que nasce a partir de estímulos do ambiente e tem, ainda, influência de factores biológicos, psicológicos e sociais. Por volta dos 12 a 18 meses a criança inicia o processo de fala podendo produzir cerca de 10 a 20 palavras. Aos 2 anos, é esperado que a criança compreenda e use frases simples, possuindo um vocabulário de cerca de 100 a 300 palavras. Contudo, algumas crianças atingem os 2 anos de idade e não produzem nenhuma palavra. É importante estar atento a alguns sinais que podem justificar o “atraso” na fala.

Os principais sinais de alerta são:

  • Brincar com objectos e brinquedos sem dar função;
  • Não exprime com palavras ou gestos as suas necessidades;
  • Não nomeia;
  • Não diz o seu próprio nome nem usa adjectivos;
  • Não utiliza palavras ou frases simples (não junta duas palavras);
  • Não compreende ordens simples;
  • Não está atento ao que lhe é dito.

Atendendo a estes sinais de alerta, o importante é clarificar o porquê do processo de fala não estar a acontecer.

A importância do diagnóstico precoce pode fazer toda a diferença no desenvolvimento da criança. Muitas vezes, basta apenas perceber o que no “meio” onde a criança está inserida está a acontecer de forma incorreta e modificar comportamentos (ex.: dar à criança o que ela quer mal aponta, passar muito tempo no tablet, pouca estimulação por parte do adulto). Noutras situações podemos estar perante problemáticas mais graves.

Quando detetadas precocemente podem ter um acompanhamento com maior e melhor impacto no seu desenvolvimento.

Dra. Natacha Gigante
Terapeuta da Fala


Comente este artigo